O que a ciência já sabe e o mundo dos negócios ainda não pratica

O que a ciência já sabe e o mundo dos negócios ainda não pratica

A Neurociência consegue unir o desejo das pessoas por empresas mais humanas a um lugar de trabalho que promova a felicidade, comprovando pressupostos ,antes empíricos da área de Gestão de Pessoas.

Por que decidi aprofundar meus estudos na ciência do cérebro, em especial, Neurociência e Psicologia Positiva de Martim Seligman?

 

Porque precisava comprovar a muitos líderes céticos que investir em pessoas daria retornos financeiros aos negócios.

Sempre fui uma líder focada em resultados, embora muitos achem que resultados e Liderança Humanista são opostos, consegui muito sucesso com minhas equipes de alta performance baseada em propósito de vida, felicidade no ambiente de trabalho e entendendo que são as pessoas que nos ajudam a chegar aos resultados.

Esse discurso sempre fez parte de minhas palestras, livros e artigos, mas a área de gestão de pessoas era muito empírica na época e certa vez, uns 20 anos atrás, eu ministrava uma palestra para líderes e um dos participantes levantou e quase aos berros da posição onde estava na plateia, disse:

– Marynês, esse seu discurso é muito bonito, mas na prática o que funciona mesmo na minha empresa é pancada e grito.

Daquele dia em diante, prometi a todos os Líderes que encontraria uma maneira de provar que eu estava certa em ter FOCO EM PESSOAS, pois, a prática e minha experiência ,já confirmavam meus pressupostos de que felicidade e produtividade andavam lado a lado, mas , na época eu ainda não tinha os resultados comprovados pela ciência e pesquisas como temos nos dias atuais.

Nessa época pouco se falava sobre a ciência do cérebro, mas consegui encontrar o Prof Luiz Machado do Rio de Janeiro, PHD e pesquisador e que já estava bem à frente em relação às pesquisas sobre o cérebro e inclusive , havia sido um dos precursores em relação aos estudos de Inteligência Emocional de Daniel Golleman.

Depois desse aprendizado seguiram-se muitos outros , muitos livros e pesquisas, NeuroCoaching  e Psicologia Positiva no SBCoaching, NeuroLiderança, hoje sou membro do Neuroleadership Institute/EUA que é um centro avançado de pesquisas em neurociência e liderança  e quero compartilhar com você oferecendo 5 dicas para sua atuação como Líder e fundamentadas na ciência do cérebro.

Neurologistas e Neurocientistas estão descobrindo cada vez mais que o sentimento é uma parte crucial da inteligência e desta forma contribuem para que os líderes tomem as decisões corretas,mas neste artigo não farei uma explicação detalhada do funcionamento do cérebro.

 

 

 

5 dicas para uma LIDERANÇA HUMANA E EFICAZ DE RESULTADOS COM AS PESSOAS.

1.Delegar é importante:

Os líderes centralizadores reclamam que suas equipes são ineficazes, e não atendem bem ao cliente. Líderes ditadores, centralizadores e que amedrontam suas equipes na base da     pancada e do grito, geram altos níveis de cortisol na circulação sanguínea e  isso altera o funcionamento do cérebro fazendo com que as  pessoas se desconectem do ambiente assustador  e façam apenas o necessário para garantir o emprego, fecham-se para as mudanças e novas ideias e passam a não querer ajudar ninguém , tornado-se egoístas e cegas para as necessidades alheias. Pessoas egoístas não irão atender bem o seu cliente. Para aumentar as conexões neurais e aumentar a capacidade e competências de sua equipe lidere com perguntas e não com respostas e deixe sua equipe buscar as soluções. Aprende quem faz e não quem apenas escuta.

 

2.A verdade nua e crua :

Não adianta esconder informações, mentir e achar que ninguém está percebendo, ou falar uma coisa e fazer outra. Os neurônios-espelho do cérebro são suscetíveis de captar as intenções abusivas dos líderes, mesmo antes de qualquer ação. As pessoas registram qualquer incompatibilidade entre as intenções e a prática . Os neurônios-espelho capturam as ações e emoções dos outros. Portanto, quando você estiver em dúvida sobre o que está acontecendo, sobre o que fazer, é melhor reunir sua equipe, identificar os principais problemas e se concentrar em como as pessoas lerão suas intenções. Identifique as intenções compartilhadas, com certeza a sua equipe sendo chamada para colaborar ficará muito motivada em colaborar.

Incongruência entre discurso e prática por parte da liderança diminui a credibilidade e ninguém segue um líder que não confiam. Esse tipo de líder incongruente só consegue ter a seu lado mercenários que trocam horas por salário. Portanto, falar a verdade é muito importante e aumenta a confiança. Por isso, use e abuse dos feedbacks ( conheça as técnicas) , converse com a sua equipe, peça a opinião deles. Não viva de aparências e mentiras e acabe com a tática das manhas e artimanhas* que só diminuem os seus resultados.

*promessas mentirosas e trocas de favores

Desta forma , você irá impulsionar o moral e aumentar a produtividade através de um maior senso de responsabilidade compartilhada. Não negue os problemas , mas mude o foco para a solução. Ao fazê-lo você terá impacto direto sobre o cérebro de todos os colaboradores e das metas que pretende atingir.

3.Elogiar faz bem

Chega de falar que elogiar só faz as pessoas pedirem aumento. O elogio reforça no cérebro quais os comportamentos que são adequados e devem ser mantidos e repetidos por parte do colaborador, além de inunda-lo com SEROTONINA, hormônio que faz com que as pessoas ajudem umas às outras, se aproximem e isso aumenta a vontade de atender bem o cliente. As pessoas podem sentir quando a injustiça está ocorrendo no ambiente de trabalho Se a sua equipe está feliz, seu cliente ficará feliz em ser bem atendido e com certeza, retribuirá sendo leal à sua empresa. Fácil fidelizar o cliente, não é mesmo? Elogie e reconheça as pessoas e comemore os seus sucessos. Isso não quer dizer passar a mão na cabeça dos fracassados. Oriente e treine para alta performance.

4.De “pernas para o ar”

Na gestão do séc XXI alguns indicadores devem fazer parte : FIB (Felicidade Interna Bruta) de seus colaboradores; Índices de Inovação e Criatividade; Conselho de Economia Criativa; colaboração coletiva (chão de fábrica e alta gestão); porém,  todos esses indicadores para florescerem precisam de um ambiente que diminua o excesso de cortisol ( hormônio do estresse) favorecendo assim a criatividade e a inovação . Por exemplo, incentivar momentos de descontração durante o expediente, sair para dar uma volta quando algum problema parece insolúvel; trabalhar em outro ambiente – em casa em vez de ficar no trânsito; criar seu próprio horário de trabalho; dedicar meia hora para outros projetos que não sejam os de seu cargo; tirar férias. Estas são as estratégias mais utilizadas e que comprovam o maior número de insights e criatividade nas empresas .

Mas, infelizmente,  ainda temos empresas que fazem o ” terrorismo das férias” isto é, demitem as pessoas assim que elas voltam de férias, o que faz com que as pessoas ao saírem de férias fiquem estressadas pensando na perda do emprego. Esse estresse todo só diminui a criatividade e afeta os resultados da sua empresa ,pois: diminui a produção de neurônios ( competência abaixo da média); compromete a memória ( esquecimentos e lentidão); deixa as pessoas mais frias e distantes em relação aos outros ( atendimento sofrível);diminui a imunidade e as pessoas ficam doentes ( empresas cheias de atestados médicos gerando altos custos) e acaba diminuindo em 10 anos a expectativa de vida.

Promova pausas criativas no seu dia , pois, nessas horas o cérebro é inundado de serotonina e tem os melhores insights, as decisões mais assertivas e corretas, o foco na solução e consequentemente ,melhores serviços e produtos. Veja os exemplos de quem aplica :Google, Toyota, Microsoft, Facebook, SEMCO.

5.Pratique o bom humor

Muitos líderes ainda acreditam que para serem respeitados tem que ficar de cara feia, dar respostas curtas e grossas e criar um clima de horror e de desconfiança entre as pessoas. Mais uma vez a ciência do cérebro confirma que o otimismo é uma excelente estratégia. A Amígdala Cerebral é um detector de emoções relevantes e responde ao medo por ser uma das emoções mais fortes e está conectada à parte do cérebro referente ao pensamento. O medo pode interromper o pensamento e afetar a produtividade. Estas equipes ficam mais preocupadas em agradar esse tipo de Líder mau humorado do que em fazer o seu trabalho e atender bem o cliente. Sobrecarregando o cérebro com medo , mesmo que seja inconscientemente, você utiliza recursos valiosos do cérebro que poderiam ser utilizados para construir seu negócio. Ansiedade excessiva perturba a integração das informações recebidas pelo cérebro. Quando a amígdala cerebral está caótica , todo o sistema de monitorar erros se torna caótico, assim como a atenção às coisas internas e externas. A amígdala responde muito bem às ideias positivas, à recompensa e sucesso e transmitirá ao córtex cerebral um ambiente mais propício e menos frustrante para realizar as decisões corretamente. Tranquilize sua equipe, seja confiante.

 

Espero que os Líderes entendam que a Gestão Humanista está fundamentada na ciência e percebam que esta ressignificação pessoal  leva em consideração a ênfase em metas, resultados, alta produtividade e performance  e não em ansiedade, apresentando uma nova visão de futuro par lideranças e Negócios sendo uma grande ferramenta crítica para reprogramar o seu cérebro e de seus colaboradores.

Sucesso! FAÇA POR MERECER!

Marynês Freixo Pereira